Friday, November 16, 2012

DOLORES DURAN

Dolores Duran was a shooting star in the Brazilian show business skies. She was born Adileia Silva da Rocha on 7 June 1930 and always wanted to be a singer. She won a lot of radio gong shows and started recording before she was 20 years old. She sang at night clubs and made it to the top of the charts in 1954 with 'Canção da volta' an Ismael Netto-Antônio Maria masterpiece. 

Dolores Duran was under contract with Radio Nacional and mixed up with the best society in Rio de Janeiro. She soon started writing her own material by herself or in partnership with the likes of Antonio Carlos Jobim, Ribamar and others. Dolores knew she had a heart problem. She actually had had two minor heart attacks before she had the big one while sleeping on 24 October 1959.

A few days before she died, Dolores recorded a song she had written recently, 'A noite do meu bem', a plaintive ballad with sad lyrics. Copacabana Records released it as a single and it went straight to #1. It felt like it was a message Dolores had left to all her fans.

Neusa Maria, Bidú Reis & a very young Dolores Duran at Radio Nacional. 
Lourdinha Bittencourt, Nelson Gonçalves, Dolores Duran, Mary Gonçalves, Emilinha Borba, Herivelto Martins & Chocolate (real name Dorival Silva) at Radio Nacional do Rio de Janeiro.


livro 'Dolores Duran - A noite e as canções de uma mulher fascinante' de Rodrigo Faour, lançado em Novembro de 2012 no Rio de Janeiro e São Paulo. 
Rios 'O Globo' about Rodrigo Faour book and the possibility of Angela Almeida finally releasing her own book about DD. 
Rodrigo Faour num mundo 'duraniano'... Dolores foi capa de Radiolândia 4 vêzes... e uma da Revista do Radio.
Rodrigo Faour no lançamento do livro sobre Dolores, na Livraria Cultura de São Paulo - 12 Novembro 2012.
Denise Duran, irmã de Dolores, no lançamento do livro sobre a vida da mana famosa...


tia Zilda (postiça) e Léia (Adiléia Rocha, futura Dolores Duran) em Caxias-DF.

Nestor de Hollanda escreve sobre Dolores - 1962

Diário Carioca, 23 Janeiro 1962

Os Padrinhos de Dolores

Dificilmente, alguém descobre um artista de valor. Quem tem valor, acaba mesmo aparecendo por uma série de circunstâncias favoráveis que surgem. O produtor de programas convida, o empresário de boate se interessa, o autor de shows faz proposta, a fábrica de discos vai atrás. Depois, cada um quer ser o descobridor, o lançador, o autor do talento alheio. Quando o artista morre, então, surgem aos montes, seus inventores, seus amigos, sues protetores e, não raro, parceiros que tem músicas inéditas...

Dolores Duran por exemplo, tem sido uma das maiores vítimas desses casos. Todo mundo a descobriu. Surgem, agora, seus padrinhos. Vão à televisão e fazem declarações até ridículas sobre a cantora. Dolores foi minha amiga, quase irmã. Brigávamos e voltávamos às boas, no mínimo duas vezes por mês. Ninguém, todavia, a descobriu. Poucos a ajudaram. Em entrevista pouco antes de morrer, contou como se iniciou, entrando em detalhes de suas lutas por uma vaga no setor artístico e não citou nomes de padrinhos, principalmente dos que estão aparecendo agora, a ponto de a terra tremer.

Primeiro, ela quis ser cantora lírica. Estudou com a professora Mercedes Malaguti Lemos. Também foi aluna da mesma senhora a cantora Maria Helena Raposo. Depois, desistiu da arte lírica. Disse por que:

- No dia em que tivesse que interpretar a Desdêmona, de que cor teria de ser o Otelo?

Trabalhou como girl da boite Acapulco de Cesar Ladeira e Renata Fronzi. Foi a alguns programas de calouros e ganhou prêmios.

Então, Renato Murce instituiu concurso em seu "Papel Carbono", a fim de escolher "uma cantora mexicana" para o elenco da Rádio Nacional. Dolores se inscreveu utilizando o pseudônimo Helena Martins. Os programas arquivados contam bem isso. Ela cantou pela primeira vez no microfone da PRE-8, no Papel Carbono, de  7 de julho de 1946, imitando Libertad Lamarque, e obteve o primeiro lugar.

Voltou a 8 de dezembro de 1946 e se classificou a 1º de seu grupo.

Na 5º semifinal, a 26 de janeiro de 1947, novamente conquistou a primeira colocação, interpretando o bolero "Perfídia".

Na segunda final, a 23 de fevereiro de 1947, cantou "Corazón" e "El Manicero", e, então, perdeu para Jerusa de Oliveira. Chorou muito, decepcionada.

Faziam parte do juri, se não me falha a memória, além de Renato Murce, Victor Costa, Paulo Tapajós e alguns maestros e jornalistas, cujos nomes não me ocorrem no momento. Três foram as vencedoras do concurso, contratadas pela Nacional: Jerusa de Oliveira, Rosita Gonzalez e Juanita Castillo. A primeira, ficou um ano na PRE-8, mas casou e saiu. As duas últimas aí estão, atuando com êxito. Juanita ainda na emissora da Praça Mauá e Rosita, na Mayrink Veiga.

Depois do concurso, Dolores atuou na PRA-9. Atuou também na Tupi e na Tamoio. Foi quando amigo seu, velho admirador, político influente, lhe obteve o lugar de lady-crooner do Vogue, onde ela se tornou figura popular na vida noturna. E essa mesma pessoa falou a Victor Costa, levou-o ao Vogue para ouvi-la (eu fui em sua companhia, lembro-me, mas sem dar palpites) e o então diretor de "broadcasting" da Nacional mandou que, primeiro, Dolores atuasse a cachê em alguns programas, inclusive num de auditório, aos sábados, e logo depois, a contratou.

Quem descobriu Dolores: Ela mesma. Ganhou o pseudônimo, por lembrança de velho amigo da família, pois o bolero, na época, estava em grande evidência. Ela mesma me contou, mas não me recordo dos detalhes, nem do nome da pessoa. Continuam, porém, surgindo os padrinhos. Mas ninguém inventa ninguém. Quando muito, o mérito foi de Renato Murce, em cujo programa ela cantou pela primeira vez, na PRE-8. E, por fim, do político que a colocou no Vogue, a casa que revelou Dolores.

Rádio e TV - Nestor de Holanda - 1962.

Maria Helena Raposo & Dolores Duran estudaram canto com a professora Mercedes Malaguti Lemos.
Dolores at 17.

Dolores artificially tinted...
at TV Rio, Channel 13. 
Contract with Sociedade Clube Curitibano signed by Dolores Duran on 5 June 1957.
Dolores' own long-hand... Gershwin's 'The man I love'... 
Dolores used to draw a little too... a fashion stylist on the make...
Dolores Duran's chords intructions...
Miss Duran's address book. 
revista 'Carioca'.
revista 'Carioca' 1950.

'Revista do Radio' 9 January 1951.

'Correio da Manhã' 3 March 1955.

a Copacabana E.P. made in Portugal.
Peggy Hayama sings 'A note do men bem'... Japanese style.

No comments:

Post a Comment